HOME | GERAL | ESPORTES | POLÍTICA | CIDADES | SAÚDE | POLICIAL | INTERNACIONAL | FOTOS | VÍDEOS | TORPEDOS

 

...

20/11/2016
Verão: Especialistas alertam para sintomas do chicungunha. Na PB existem 20.290 casos suspeitos

Em 1952, a população do sudeste da Tanzânia, na África, foi acometida por uma doença tão dolorosa que suas vítimas andavam com o corpo arqueado. A epidemia ficou conhecida como chicungunha — na língua kimakonde, “aqueles que se dobram”. O vírus CHIKV foi isolado e identificado em pequenos surtos na Ásia. Mas, por muito tempo, ficou adormecido. Até acordar, em 2004, no Quênia. Durante uma década, a ameaça se manteve distante do Brasil. Em 2014, porém, ela chegou. Agora bem-adaptado, o micro-organismo avança por todas as regiões, com um número de casos confirmados até setembro 880% maior que de todo o ano passado. Na Paraíba quanto às notificações de suspeita de chikungunya, no período de 1º de janeiro a 5 de novembro de 2016, foram registrados 20.290 casos suspeitos, ou seja, um acréscimo de 2.626 casos nas dez últimas semanas epidemiológicas.

O boletim epidemiológico mais recente do Ministério da Saúde mostra que, de janeiro a 20 de setembro, foram notificados 236.287 mil casos, sendo que, desses, 116.523 de fato eram febre chicungunha. Esse número deve aumentar significativamente nos próximos meses, pois o vírus é transmitido pelo Aedes aegypti, mosquito que se prolifera nos meses chuvosos de verão.

“O chicungunha entrou no Brasil antes do zika, mas o período de incubação dele é mais longo. Por isso, se propaga mais lentamente”, explica Luiz José de Sousa, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica e diretor do Centro de Referência de Doenças Imuno-Infecciosas (CRDI-RJ), justificando o fato de, dois anos depois da entrada do vírus, haver uma explosão de casos. “Agora, a perspectiva é que este ano tenha um aumento muito maior, principalmente no Sudeste”, alerta o médico, também autor do livro Dengue, zika e chikungunya — diagnóstico, tratamento e prevenção.

Uma preocupação de Sousa é com o pouco conhecimento que se tem sobre a doença. “A dengue já foi altamente estudada. Mas há poucos estudos sobre chicungunha. Não se sabe, por exemplo, porque pacientes com doenças crônicas prévias, como diabetes e doença pulmonar obstrutiva, têm um risco de mortalidade maior. Sabe-se que há uma ação do vírus no endotélio vascular e no tecido das articulações, mas não se sabe o mecanismo”, exemplifica.

Paraíba - A Secretaria de Estado da Saúde (SES-PB) divulgou, no último dia (11/11), mais um boletim da dengue, zika e chikungunya. De acordo com os dados, de 1º janeiro a 5 de novembro de 2016 (44ª semana epidemiológica de início de sintomas) foram notificados 35.938 casos prováveis de dengue. Em 2015, no mesmo período (até 44ª SE), registrou-se 19.380 casos, evidenciando um aumento de 80,25%.

Chikungunya - Quanto às notificações de suspeita de chikungunya, no período de 1º de janeiro a 5 de novembro de 2016, foram registrados 20.290 casos suspeitos, ou seja, um acréscimo de 2.626 casos nas dez últimas semanas epidemiológicas. Ressalta-se que a confirmação laboratorial do primeiro caso de chikungunya na Paraíba ocorreu em dezembro de 2015, sinalizando que grande parte da população ainda está suscetível ao adoecimento.

Redação com MS






 
 
 



 

 

 

 

www.jornaldeverdade.com.br

  Jornalistas do Programa: Juarez Amaral
Paulo Roberto
Polion Araújo
Carlos Magno

Programa diário na Rádio Cidade Esperança - 1310 AM
Contatos pelo telefone: (83) 3349-2013 / (83) 3341-4999