HOME | GERAL | ESPORTES | POLÍTICA | CIDADES | SAÚDE | POLICIAL | INTERNACIONAL | FOTOS | VÍDEOS | TORPEDOS

 

...

12/11/2016
Anvisa autoriza a produção de teste-rápido para detectar o zika. Na PB já foram registrados 4.687 casos suspeitos do vírus

Um ano depois de o Ministério da Saúde decretar a epidemia do Zika vírus como situação de emergência em Saúde Pública, o SUS ainda carece de métodos efetivos e rápidos para o diagnóstico da doença. O quadro, no entanto, pode ser revertido em breve, já que, nesta terça (8/11), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a produção de um teste-rápido capaz de diagnosticar a presença do vírus em qualquer ambulatório. A Secretaria de Estado da Saúde (SES-PB) divulgou, ontem (11), mais um boletim da dengue, zika e chikungunya. Na Paraíba, já foram registrados 4.687 casos suspeitos do vírus.

O procedimento, desenvolvido pela Fiocruz Biomanguinhos e pela empresa norte-americana Chembio, identifica, em 20 minutos, se a pessoa tem ou já teve a doença. Em entrevista ao portal Uol, o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, afirmou que o kit diagnóstico deve estar disponível no SUS em até um mês. "O Brasil vai poder agora dizer algo que é fundamental, determinar os casos que são ou não zika."

Diagnóstico tardio - Três tipos de testes são capazes de detectar o vírus, mas apenas o chamado PCR está disponível na rede pública de sáude. O ministério anunciou, no fim de outubro, a distribuição de 2 milhões de kits até o final deste ano e mais 1,5 milhão até fevereiro de 2017. Enquanto isso, muitas mulheres só sabem que foram infectadas com o Zika depois do nascimento do bebê.

Segundo o professor da Universidade Federal da Bahia )UFBA) e Diretor do Hospital Geral Roberto Santos, Antônio Raimundo, existe uma subnotificação do número de casos no Brasil, já que é complicada a realização dos testes. “A grande dificuldade é o exame em si. Nós tivemos muitos problemas com o RTPCR, um exame muito caro e que você precisa fazer três vezes”. O infectologista Antônio Bandeira também se queixa de dificuldades. “Infelizmente, a gente tem o Aedes Aegypti transmitindo esses três vírus e tem que ter sistemas melhores de diagnóstico.

De acordo com o Ministério da Saúde, de outubro de 2015 até outubro de 2016, foram notificados 9.953 casos de microcefalia e outras alterações no sistema nervoso. Desse total, 4.797 casos foram descartados e 2.079 foram confirmados como microcefalia. Outros 3.077 casos suspeitos permaneciam em investigação até 22 de outubro. Do total de casos confirmados (2.079), 392 tiveram resultado positivo para o vírus Zika. O ministério, no entanto, considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia.

Paraíba - De acordo com os dados da SES, de 1º janeiro a 5 de novembro de 2016 (44ª semana epidemiológica de início de sintomas) foram notificados 35.938 casos prováveis de dengue. Em 2015, no mesmo período (até 44ª SE), registrou-se 19.380 casos, evidenciando um aumento de 80,25%.

Zika Vírus - De acordo com o boletim, foram registrados 4.687 casos suspeitos do vírus Zika, um aumento de 482 casos nas últimas dez semanas. Atualmente, na Paraíba, existem três unidades Sentinelas do Zika vírus implantadas para identificação da circulação viral nos municípios de Bayeux, Campina Grande e Monteiro, conforme recomendação do Ministério da Saúde, entretanto o número de coletas nessas unidades tem sido reduzido.

Chikungunya - Quanto às notificações de suspeita de chikungunya, no período de 1º de janeiro a 5 de novembro de 2016, foram registrados 20.290 casos suspeitos, ou seja, um acréscimo de 2.626 casos nas dez últimas semanas epidemiológicas. “Ressalta-se que a confirmação laboratorial do primeiro caso de chikungunya na Paraíba ocorreu em dezembro de 2015, sinalizando que grande parte da população ainda está suscetível ao adoecimento. Observa-se o pico de casos entre a 13ª e a 20ª semana, correspondente ao 2º trimestre, o que coincide ao período de maior volume pluviométrico e de umidade no ar, favorecendo a proliferação do mosquito”, explicou Izabel.

Até a 44ª semana, foram registrados 106 óbitos suspeitos por arboviroses, sendo 26 com confirmação para chikungunya, e cinco por dengue. Para esclarecimento da causa morte e identificação do perfil dos óbitos, se faz necessário realizar as investigações no âmbito ambulatorial, domiciliar e hospitalar, utilizando o Protocolo de Investigação de Óbitos por Arbovírus Urbanos no Brasil (Dengue, Chikungunya e Zika), instituído pelo Ministério da Saúde no dia 13 de junho de 2016.

"Diante da situação de óbitos recomenda-se aos Serviços de Saúde intensificar as orientações sobre sinais e sintomas de dengue, chikungunya e zika à população, e em caso de adoecimento o usuário deverá procurar imediatamente a Estratégia de Saúde da Família – ESF ou serviço de saúde mais próximo. Destaca-se que a estratégia mais efetiva para evitar os óbitos é a detecção precoce dos casos suspeitos e condução do manejo clínico adequado do paciente, de acordo com o agravo", explicou Izabel.

LIRAa – A Paraíba realizou, de 24 a 28 de outubro de 2016, o 3º levantamento de índices, para avaliar a infestação predial pelo Aedes aegypti, por meio do LIRAa (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti) e LIA (Levantamento de Índice Amostral do Aedes aegypti), este último para municípios que possuem até 1.999 imóveis, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde. Os resultados, além de apresentarem a média dos indicadores larvários, revelam os espaços intraurbanos com as áreas de maior densidade de larvas, o que contribui para o direcionamento e consequentemente maior efetividade das ações de combate do vetor.

Dos 223 municípios, até o momento, 181 (81,1%) realizaram os levantamentos. De acordo com esses dados, 24 (13,25%) municípios atualmente estão em situação de risco para ocorrência de surto: Juarez Távora, Picuí, Seridó, Aroeiras, Barra de Santana, Riacho dos Cavalos, Cajazeiras, Nazarezinho, Água Branca, São Bento, Alagoinha, Várzea, Imaculada, Lagoa Seca, Itabaiana, Sousa, Mato Grosso, Rio Tinto, Cacimba de Areia, Desterro, Monteiro, Mulungu, Salgadinho e Teixeira. Estão em situação de alerta 102 (56,35%) municípios, 55 (30,38%) em situação satisfatória e 18,9% municípios não informaram o seu levantamento.

Redação com SES






 
 
 



 

 

 

 

www.jornaldeverdade.com.br

  Jornalistas do Programa: Juarez Amaral
Paulo Roberto
Polion Araújo
Carlos Magno

Programa diário na Rádio Cidade Esperança - 1310 AM
Contatos pelo telefone: (83) 3349-2013 / (83) 3341-4999